Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10437/14476
Título: A perceção de qualidade de vida em contexto pós- pandémico, de guerra e de alterações climáticas
Autores: Ferreira, Paula Isabel Marques
Gameiro, Fátima
Palavras-chave: QUALIDADE DE VIDA
SERVIÇO SOCIAL
PORTUGAL
QUALITY OF LIFE
SOCIAL WORK
Editora: Dykinson S.L
Citação: Ferreira, P. & Gameiro, F. (2023). A perceção de qualidade de vida em contexto pós- pandémico, de guerra e de alterações climáticas. In M. Bermúdez-Vásquez & A. Chaves-Montero (Coords). Ciencias del pensamiento, comportamiento y relaciones humanas (pp. 123-140). Colección Conocimiento Contemporáneo. Dykinson S.L. ISBN: 978-84-1122-825-1
Resumo: O ambiente no qual vivemos e nos desenvolvemos é constituído por elementos humanos, físicos, políticos, económicos, culturais e organizacionais que condicionam e influenciam os estilos de vida e que se repercutem na perceção de qualidade de vida. Perante o atual panorama mundial, onde a pandemia, a guerra e as alterações climáticas são uma realidade, pretendemos conhecer a perceção de qualidade de vida de uma amostra de indivíduos portugueses, de forma global e nos domínios físico, psicológico, das relações sociais e do meio ambiente e analisar a influência das características sociodemográficas. Participaram 429 indivíduos, 75,1% do sexo feminino, 4,2% adolescente, 33,6% jovem adulto, 53,8% adulto e 8,4% adulto maior, a maioria a residir em cidade (61,1%), casado/união de facto (52,4%), com o ensino superior (70,4%) e em situação laboral ativa (80,4%). Foi dado a conhecer o estudo nas redes sociais e aplicado um inquérito por questionário via plataforma Google forms, com a caracterização sociodemográfica e a versão portuguesa da World Health Organization Quality of Life (WHOQOL- BRIEF). Os resultados demonstram um nível de qualidade de vida mediano, sendo mais elevado no que respeita ao domínio físico, seguido do psicológico, relações sociais e mais reduzido no domínio do meio ambiente. Verificaram-se diferenças ao nível da perceção de qualidade de vida no domínio psicológico, sendo que são sobretudo os mais jovens, casados, com habilitações mais baixas, sem ocupação/desempregados e a residir em aldeias os que registaram uma perceção mais baixa. No domínio do meio ambiente verificou-se uma perceção de qualidade de vida superior nos mais jovens e nos solteiros. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas nos restantes domínios. Estes resultados sugerem que o domínio da qualidade de vida mais fragilizado está relacionado com as características exteriores ao próprio indivíduo e emanadas do meio ambiente, logo sem controlo interno por parte do individuo, revelando-se fundamental a implementação de estratégias sociais e políticas para diminuir esta vulnerabilidade. Relativamente ao domínio psicológico, conclui-se a necessidade de promover a resiliência, principalmente junto dos mais jovens, casados, com habilitações mais baixas, sem ocupação/desempregados e a residir em aldeias.
Descrição: Ciencias del pensamiento, comportamiento y relaciones humanas
URI: http://hdl.handle.net/10437/14476
ISBN: 978-84-1122-825-1
Aparece nas colecções:ISS - Capítulos de Livros Internacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Ind_2_Nodos_QDV_ebooks_978-84-1122-825-1.pdf719.33 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.