Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10437/13304
Título: Gênero, violência e indisciplina na escola : percepções de alunos e professores
Autores: Machado, Danielle dos Santos
Orientadores: Martins, Alcina Manuela de Oliveira, orient.
Palavras-chave: MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO
EDUCAÇÃO
INDISCIPLINA ESCOLAR
VIOLÊNCIA
GÉNERO
ESCOLAS
ALUNOS
PROFESSORES
EDUCATION
SCHOOL INDISCIPLINE
VIOLENCE
GENDER
SCHOOLS
STUDENTS
TEACHERS
Resumo: Este trabalho teve como finalidade analisar a violência e a indisciplina numa escola, considerando os estereótipos e relações entre gênero e a sua influência no processo de ensino e aprendizagem em alunos do 7º ano do ensino Fundamental. A indisciplina e a violência em contexto escolar são fatores de preocupação para professores, pais e encarregados de educação. Paralelamente, cada vez mais se questiona se atualmente, os meninos continuam a ser os principais agentes de violência e indisciplina na escola. Partindo da revisão da literatura, foi delineado um estudo de caso simples, de abordagem mista, que decorreu num colégio estadual, localizado no bairro do Salgueiro, Município de São Gonçalo, no Estado do Rio de Janeiro. Como estratégia quantitativa, recorremos ao inquérito por questionário, aplicados a 50 alunos do 7º ano do Ensino Fundamental, de ambos os sexos. Como estratégia qualitativa, recorremos à entrevista a 5 professores. Paralelamente socorremo-nos ainda da análise do Projeto Político Pedagógico (PPP) e do Regimento Interno da instituição. Como conclusão, podemos constatar que na sala de aula ocorrem comportamentos muito diversos, sendo os mais usuais a conversa e uso de telefones celulares. Neste caso concreto, são as meninas quem mais os utilizam. Também verificamos que os comportamentos de violência, embora raros, existem. E aqui os atos de violência psicológica são mais utilizados pelas meninas, ao contrário dos meninos que recorrem mais à violência física. Da parte dos docentes há uma tentativa recorrente em resolver os problemas através do diálogo. Só quando não é possível é que recorrem à direção da escola, sendo as sanções aplicadas mediante o estipulado no Regimento Interno. Embora digam que, sob o ponto de vista disciplinar, não são influenciados pelas questões de gênero, percepcionamos que nem sempre é assim. Ás vezes, são mais benevolentes para com as meninas. Podemos concluir que, numa perspectiva de gênero, tanto os meninos como as meninas praticam atos de indisciplina e até alguns atos de violência.
Descrição: Orientação: Alcina Manuela de Oliveira Martins
URI: http://hdl.handle.net/10437/13304
Aparece nas colecções:Biblioteca - Dissertações de Mestrado
Mestrado em Ciências da Educação

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação DANIELLE MACHADO.pdfdissertação1.22 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.